Miss de Indaiatuba atua no resgate a brasileiros no exterior

1681 0

Comissária de bordo, Gisele Oliveira, já participou de resgates a passageiros na Europa e África

Eleita em junho de 2019 como Miss Simpatia Indaiatuba, título destinado a mulheres de 28 a 34 anos, Gisele Oliveira, indaiatubana de 30 anos, é comissária de bordo em voos internacionais, além de representar a cidade com as características clássicas de uma miss também atua no resgate de brasileiros isolados em países da Europa e África em função da pandemia do novo coronavírus, em conjunto com a tripulação.

Gisele é detentora de duas faixas de Miss Simpatia, a primeira foi conquistada em 2015, enquanto participava do concurso Miss Indaiatuba, sendo votada pelas próprias candidatas participantes. Já em 2019, o título de Miss Simpatia Indaiatuba ganhou um novo destaque e se tornou um concurso paralelo, destinado a mulheres fora da faixa etária padrão dos certames de beleza, permitindo ainda candidatas casadas e com filhos, valorizando a essência feminina e sua importância na sociedade.

A consciência social sempre esteve presente na vida de Gisele, durante a participação no concurso municipal foi vencedora da prova de arrecadação de fraldas geriátricas e ração para cães e gatos, que foram direcionadas para entidades da cidade. Após eleita continuou engajada em projetos de conscientização e arrecadação de alimentos e roupas para pessoas vulneráveis.

Gisele Oliveira em missão na República de Cabo Verde na África

 

Atuando como comissária de bordo há mais de dez anos, realizou centenas de voos comerciais a vários países, mas pela primeira vez enfrenta uma situação de pandemia que exige coragem e amor à pátria para trazer de volta ao país homens e mulheres isolados no exterior por conta da doença.

Entrevistamos a Miss Simpatia Indaiatuba, Gisele Oliveira, sobre o desafio em trabalhar na linha de frente do combate ao covid-19, acompanhe:

 

– Quem são esses brasileiros e que situação estavam em outros países?

Gisele – Em algumas conversas com passageiros resgatados, eles me informaram que entram em contato com a embaixada, fazem um cadastro e aguardam, isso pode durar meses, nesse período, alguns já não tem moradia, tampouco dinheiro para custear hotel ou alimentação.

 

– Quais os cuidados são tomados para os profissionais envolvidos na ação?

Gisele – A empresa nos fornece itens como: luva, álcool gel, lenços desinfetantes e máscaras, no entanto, máscaras foram liberadas para usarem outras, desde que sigam padrões de cores e sem estampas. Antes de cada programação temos de aferir a temperatura, inclusive dos tripulantes de solo.

Temos também um departamento médico atento e presente atuando conosco.

Esses itens são disponibilizados também para os nossos clientes. (álcool gel, lenços desinfetantes e máscaras).

Aeronaves são limpas com todo empenho, assentos, persianas e mesinhas, inclusive, durante os pernoites das aeronaves essa limpeza se tornou ainda mais reforçada, sempre buscando a segurança de todos a bordo.

Tudo com itens devidamente autorizados pela Anvisa.

 

– Qual sentimento você tem fazendo parte de algo tão importante neste momento de pandemia?

Gisele – Sempre oro antes de cada voo, pedindo força e sabedoria, não sei o que elas passaram, e cabe a mim, além de zelar por segurança, ser um porto seguro.

Sinto gratidão! Imensa gratidão! E essa gratidão são de pessoas, que sorriem com os olhos, que nos abraçaram com palavras.

Sempre fui muito pé no chão, mas nesses voos eu flutuo nas histórias, navego no carinho das pessoas, no respeito com cada brilho nos olhos e com as palmas de alegria daqueles que voltaram pra sua Pátria!

Cada voo é revigorante, cansativo sim, mas é cada aprendizado, que eu só agradeço! Sou muito feliz em estar onde estou, fazendo o que faço, por amor!

 

 

error: Conteúdo protegido.