Conecte-se Conosco

Mundo

Estudo aponta que a Terra pode ultrapassar limite de aquecimento de 1,5ºC em 7 anos

Mundo pode ultrapassar limite de aquecimento global de 1,5ºC em 7 anos, diz estudo — Foto: Michel Filho/Agência O Globo
Compartilhe essa notícia:

Emissões de CO2 por combustíveis fósseis continua aumentando, instando os países nas negociações da COP28 a ‘agir agora’ sobre a poluição por carvão, petróleo e gás

As linhas de batalha sobre o futuro dos combustíveis fósseis estão sendo traçadas na conferência climática da ONU em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, com os grandes poluidores tentando afastar os pedidos de um acordo para eliminar gradualmente a energia com utilização intensiva de carbono, responsável pela maior parte dos gases com efeito de estufa provocados pelo homem. A poluição por CO2 proveniente de combustíveis fósseis aumentou 1,1% no ano passado, de acordo com um consórcio internacional de cientistas climáticos na sua avaliação anual do Projecto GlobalCarbon, com emissões crescentes na China e na Índia – atualmente o primeiro e o terceiro maiores emissores do mundo.

Eles estimaram que há 50% de probabilidade de o aquecimento exceder a meta de 1,5ºC do acordo de Paris ao longo de vários anos por volta de 2030, embora tenham notado incertezas em torno do aquecimento causado por gases de efeito estufa não-CO2.

“Está se tornando cada vez mais urgente”, disse aos repórteres o autor principal do estudo Pierre Friedlingstein, do Instituto de Sistemas Globais da Universidade de Exeter. “O tempo entre agora e 1,5°C está diminuindo enormemente, então, para manter a chance de ficar abaixo de 1,5°C, ou muito próximo de 1,5°C, precisamos agir agora.”

‘Direção errada’

O marco do Acordo de Paris de 2015 viu os países comprometerem-se a limitar o aumento da temperatura bem abaixo dos 2ºC acima da era pré-industrial e, de preferência, 1,5ºC. Desde então, o objetivo mais ambicioso de 1,5ºC assumiu maior urgência, à medida que surgem evidências de que um aquecimento superior a este poderá desencadear pontos de virada perigosos e irreversíveis.

Os efeitos da mudança climática pelo mundo

Para manter esse limite, o painel de ciência climática do IPCC da ONU afirmou que as emissões de CO2 precisam de ser reduzidas para metade nesta década. Isso está se tornando uma tarefa mais desafiadora à medida que as emissões continuam a aumentar, concluiu o Global Carbon Project. Glen Peters, pesquisador sênior do Centro CICERO para Pesquisa Climática Internacional, disse que as emissões de dióxido de carbono são agora 6% maiores do que quando os países assinaram o acordo de Paris.

“As coisas estão indo na direção errada”, disse ele.

Isto apesar de um aumento promissor nas energias renováveis, uma questão fundamental nas negociações climáticas do Dubai, onde mais de 100 países assinaram um apelo para triplicar a capacidade renovável nesta década.

Propaganda

“A energia eólica solar, os veículos eléctricos, as baterias, estão todos a crescer rapidamente, o que é óptimo. Mas isso é apenas metade da história”, disse ele. “A outra metade é reduzir as emissões de combustíveis fósseis. E simplesmente não estamos fazendo o suficiente.”

Índia ultrapassa UE

A investigação concluiu que os combustíveis fósseis representaram 36,8 mil milhões de toneladas de um total de 40,9 mil milhões de toneladas de CO2 que se estima serem emitidas este ano. Vários grandes poluidores registaram uma queda nas emissões de CO2 este ano – incluindo uma diminuição de 3% nos Estados Unidos e uma queda de 7,4% em toda a União Europeia.

Mas a China, que é responsável por quase um terço das emissões globais, deverá ver um aumento de 4% no CO2 dos combustíveis fósseis este ano, concluiu a investigação, com aumentos no carvão, petróleo e gás à medida que o país continua a se recuperar da crise da Covid-19. Além disso, um aumento nas emissões de CO2 de mais de 8% na Índia significa que o país ultrapassou a UE como o terceiro maior emissor de combustíveis fósseis, disseram os cientistas.

Tanto na Índia como na China, a crescente procura de energia está superando a implementação significativa de energias renováveis, disse Peters. As emissões da aviação aumentaram 28% este ano, à medida que se recuperavam dos níveis mais baixos da era pandêmica. A pesquisa foi publicada na revista Earth System Science Data.

A Terra já aqueceu cerca de 1,2ºC, desencadeando ondas de calor ferozes, incêndios florestais, inundações e tempestades. As temperaturas este ano atingiram os valores mais elevados registados na história e a Organização Meteorológica Mundial da ONU afirmou que 2023 já estava cerca de 1,4ºC acima da linha de base pré-industrial em Outubro.

No entanto , ultrapassar os 1,5ºC durante um único ano não violaria o acordo de Paris , que é medido ao longo de décadas.

Fonte O Globo

Propaganda
Compartilhe essa notícia:
Continue lendo
Propaganda