Conecte-se Conosco

Mundo

Putin diz para Ucrânia parar de lutar em meio a pedidos de cessar-fogo

© Sputnik/Alexei Druzhinin/Kremlin via REUTERS
Compartilhe essa notícia:

Presidente russo diz que campanha não termina até Kiev parar de lutar

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, disse neste domingo que sua campanha na Ucrânia está indo de acordo com o planejado e não terminará até que Kiev pare de lutar, enquanto os esforços para evacuar a cidade fortemente bombardeada de Mariupol falharam pelo segundo dia consecutivo.

O presidente russo fez os comentários em um telefonema com o presidente turco Tayyip Erdogan, que pediu um cessar-fogo no conflito que, segundo a ONU, criou a crise de refugiados que mais cresce na Europa desde a Segunda Guerra Mundial.

A mídia russa disse que Putin também manteve quase duas horas de conversas no domingo com o presidente francês Emmanuel Macron, mas, como em outros esforços internacionais, ele ainda não convenceu Moscou a cancelar a campanha, agora no 11º dia.

As autoridades de Mariupol disseram no domingo que fariam uma segunda tentativa de evacuar alguns dos 400.000 moradores, depois que a cidade costeira ucraniana sofreu dias de bombardeios que deixaram pessoas sem aquecimento, energia e água.

Mas o plano de cessar-fogo fracassou, como aconteceu no sábado, com cada lado culpando o outro pelo fracasso.

Kiev renovou seu apelo ao Ocidente para endurecer as sanções além dos esforços existentes que atingiram a economia da Rússia. Também solicitou mais armas, incluindo um pedido de aviões fabricados na Rússia, para ajudar a repelir as forças russas.

O secretário de Estado dos EUA, Anthony Blinken, disse que Washington está considerando como poderia abastecer aeronaves para a Polônia, se Varsóvia decidisse fornecer seus aviões de guerra para a Ucrânia, falando em uma viagem à vizinha Moldávia.

Propaganda

“Estão nos destruindo”

Moscou chama a campanha lançada em 24 de fevereiro de “operação militar especial”, dizendo que não tem planos de ocupar a Ucrânia, que já foi parte da União Soviética sob o domínio de Moscou, mas que agora se voltou para o Ocidente em busca de adesão à Otan e à União Europeia.

“Eles estão nos destruindo”, disse o prefeito de Mariupol, Vadym Boychenko, à Reuters em uma videochamada, descrevendo a situação da cidade de 400 mil habitantes. “Eles nem nos dão a oportunidade de contar os feridos e mortos porque o bombardeio não para.”

A Rússia, que nega atacar áreas civis, enviou tropas e equipamentos para a Ucrânia. Um enorme comboio russo em uma estrada ao norte de Kiev fez progressos limitados nos últimos dias, embora o Ministério da Defesa da Rússia tenha divulgado imagens no domingo mostrando alguns veículos militares rastreados em movimento.

Na capital, soldados ucranianos reforçaram as defesas cavando trincheiras, bloqueando estradas e fazendo contato com unidades de defesa civil enquanto as forças russas bombardeavam áreas próximas.

“As posições estão preparadas, nós as equipamos e estamos simplesmente esperando para encontrá-las aqui”, disse um soldado em um vídeo divulgado pelas Forças Armadas da Ucrânia. “A vitória será nossa.”

O presidente ucraniano Volodymyr Zelenskiy disse que foguetes russos destruíram o aeroporto civil da capital da região centro-oeste de Vinnytsia no domingo. Ele também disse que a Rússia estava se preparando para bombardear outra cidade do sul, Odessa.

“Foguetes contra Odessa? Isso será um crime de guerra”, disse ele.

A Organização Mundial da Saúde disse que houve vários ataques a instalações de saúde ucranianas durante o conflito. Os ataques causaram mortes e feridos, disse o chefe da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, em uma mensagem no Twitter, mas não deu detalhes.

Propaganda

“Ataques a instalações de saúde ou trabalhadores violam a neutralidade médica e são violações do direito internacional humanitário”, disse ele.

Via Agência Brasil

Compartilhe essa notícia:

O Portal iMais apresenta as principais notícias e informações de Indaiatuba, cidades da região e também fatos relevantes para a população local. Iniciado em 9 de dezembro de 2007, ainda com o nome de Mais Indaiá, é o mais antigo site de notícias de Indaiatuba. Desde o final de 2019 recebeu uma nova roupagem, nome e uma linha editorial mais atrativa aos assuntos de maior interesse aos indaiatubanos.

Continue lendo
Propaganda
Programa Entre Falas com Camila Almeida