Conecte-se Conosco

Economia

Confira dicas para declarar o Imposto de Renda 2024 sem dor de cabeça

Programa de 2024 vai estar disponível na sexta JOÉDSON ALVES/AGÊNCIA BRASIL
Compartilhe essa notícia:

Prazo começa na sexta-feira (15) e vai até o dia 31 de maio; Receita espera receber 43 milhões de documentos

O prazo de início da declaração do Imposto de Renda 2024 começa na sexta-feira (15) e, para muita gente, o período de prestar contas com o Leão pode ser estressante. No ano passado, mais de 500 mil contribuintes não enviaram a documentação no prazo correto e tiveram que pagar multas. O R7 reuniu algumas dicas para facilitar o processo de declaração.

A economista Paula Sauer explicou que o primeiro passo é se atentar ao calendário do ano. No caso de 2024, o prazo termina em 31 de maio, o que significa que o contribuinte vai ter 78 dias para entregar a documentação.

Confira outras dicas:

Quais documentos devo separar?

Segundo a economista, informes de rendimentos de bancos, de empresas, de bolsa de valores, de planos de saúde, mensalidade escolar, recibos de consultas médicas, recibos de pagamento de previdência privada, de dentistas, nutricionistas, fonoaudiólogos, recibo de pagamento de aluguel, de compra de imóveis, consulta com psicólogo são alguns exemplos.

O ideal é salvar tudo em uma pasta, física ou não computador, para ter tudo a mão na hora de preencher a declaração deste ano.

Atenção para os dependentes!

Se o contribuinte tem filhos ou algum dependente previsto em lei, separe também a documentação do CPF, pois ele será incluído como seu dependente financeiro, o que já te dá um desconto na declaração completa.

Por que as pessoas têm tanta dificuldade em fazer a declaração?

A economista afirma que os motivos são variados. O primeiro de todos é que estamos lidando com autoridades fiscais, e isso por si só já não nos deixa muito confortáveis “Um errinho besta, pode nos levar a cair na temida malha fina, pode ser uma bobeira que vira uma dor de cabeça”, explica.

Outro aspecto importante é que está muito associado a aversão à perda. “Pagar imposto de renda dói, principalmente porque o retorno do que se pagou não é algo facilmente observado”, ressalta.

Propaganda

Um terceiro motivo é bastante comum e menos visível: ao efetuar a declaração de Imposto de Renda, revisitamos nossa história do último ano, e a traduzimos em números. “Ali, pode aparecer uma demissão, um divórcio, uma herança recebida pelo falecimento de um ente muito querido”, conclui.

Simplificada ou completa?

Paula explica que a completa gera mais benefícios para muitas pessoas, mas tende a dar mais trabalho. Se você ainda não sabe qual será a mais vantajosa, guarde os documentos, e durante a elaboração da declaração, simule e compare o que se tem a pagar ou a receber. Se você não tem os documentos comprobatórios das despesas, essa possibilidade não é para você.

Fonte R7

Compartilhe essa notícia:
Continue lendo
Propaganda